'Dormir não é perder tempo.' Mike Wilson

Dirigindo com sono - Riscos e prevenções

São os primeiros instantes da madrugada. Você está dirigindo há quase duas horas. Sente-se incomodado, não sabe se é sono ou cansaço, porém decide seguir viagem. Contra o mal-estar, ajeita-se no banco, liga o rádio e masca um chiclete. Suas pálpebras pesam: você reluta e, marcando o compasso da música com os dedos, tamborila no volante. Tudo parece estar bem, embora sua concentração sofra sérias oscilações e seus olhos, entreabertos, ardam e pisquem com frequência. É na extensão de uma pista sem curvas que você encontra a oportunidade de descansá-los, nem que seja por uns segundos. Olhos fechados: sua consciência perde a noção de tempo, de espaço, restando-lhe um caminho sem volta e fatal.

Acidentes no trânsito ocorrem a todo o momento e por inúmeros motivos, é fato. Mas, dentre muitas causas catastróficas, uma nos chama a atenção, e ela se chama condução sonolenta. Como o próprio nome já diz, tem a ver com uma combinação arriscadíssima: sono e volante, um perigo constante! Nas linhas a seguir, abordaremos esta questão, citando os fatores que potencializam este mal entre os condutores – sem deixar de mencionar formas de prevenção. Boa leitura!

1 – O que é a condução sonolenta?

O que é, em detalhes, a condução sonolenta? A condução sonolenta refere-se à pessoa que, mesmo demasiadamente cansada, julga-se apta para operar um veículo de motor e, ao mesmo tempo, coloca em perigo a própria vida, incluindo a dos passageiros e dos motoristas que a acercam.

A condução sonolenta é um problema também presente nos países de primeiro mundo. Podemos tirar como exemplo o EUA, onde, segundo a Revista National Higway Traffic Safety Administration, “dirigir sonolento causou aproximadamente 72 mil acidentes (...) e 800 mortes somente em 2013”.

2 – O que gera a condução sonolenta?

  • Consumo de álcool e drogas
  • Sono inadequado (interrompido ou fragmentado)
  • Dirigir durante bastante tempo sem intervalo para descansar
  • Insônia crônica
  • Horário de trabalho que afeta a quantidade de sono e/ou o ritmo cardíaco
  • Narcolepsia (distúrbio do sono que causa enorme sonolência)
  • Sedativos e hipnóticos (em geral, medicamentos que podem causar sono antes de dirigir)

O cansaço gera no motorista lentidão e perda de memória em curto prazo, o que é um sintoma comum nestes casos. Os efeitos variam de pessoa para pessoa, a ponto de o condutor desenvolver uma direção demasiadamente agressiva. Em território estadunidense, a condução sonolenta não é um problema menor, e vejamos o que aponta as seguintes informações:

  • Entre 2005 – 2009 a condução sonolenta desencadeou, em média, 4.400 acidentes automobilísticos, a incluir mais de 5 mil mortes;
  • Permanecer acordado durante 18 horas seguidas equivale a uma concentração de álcool no sangue;
  • Prolongado este período, igualando-se ao de alguém que não dorme 24 horas seguidas, haverá uma alteração mais acentuada;
  • Nos últimos anos, 168 milhões de motoristas estadunidenses (60% da população) confessaram ter operado um veículo automobilístico sob os efeitos da condução sonolenta;
  • Calcula-se que, entre 1999 - 2008, a condução sonolenta foi responsável por 7% das colisões, de modo que um dos veículos precisou ser rebocado devido à grande danificação; 13% desses acidentes tiveram, ao menos, uma pessoa hospitalizada e 17% destas colisões geraram mortes;
  • Sabe-se que mais de 1/3 dos motoristas têm sofrido com os efeitos do sono atrás do volante, a constatar que 13% deles relatam ter passado por isso no último mês.

3 – Condução sonolenta X Condições adversas

Sempre que analisarmos estas e outras estatísticas, tenhamos atenção! A condução sonolenta pode ser facilmente confundida com outras condições adversas, isto é, conduzir distraído ou por efeito de drogas e/ou álcool. Seja por falta de perícia, seja por dúvidas ou descrenças na gravidade deste problema, casos de condução sonolenta não ganham a devida atenção das mídias.

Investigando o local do acidente, peritos podem se valer de certas pistas para, então, identificar se a causa do acidente foi a condução sonolenta ou não. Além de envolver veículos particulares, estes acidentes não deixam no asfalto marcas de derrapagem, nem outros sinais que mostram a tentativa do condutor de evitar o impacto. Quase todos os acidentes, cuja causa é a condução sonolenta, ocorre – como é de se deduzir – entre meia-noite e sete da manhã, horário no qual estamos biologicamente regulados para dormir.

4 – A condução sonolenta e as leis

Estudos estão sendo realizados e, no mais, conjectura-se a criação de leis designadas para reprimir a condução sonolenta. Mas, por enquanto, não há exames de sangue ou algum aparelho para avaliar os condutores que estejam supostamente dirigindo com sono. No geral, tratando-se de imprudência, a polícia pode deter o condutor e apreender seu veículo, porém, no que tange à condução sonolenta, os motoristas enfrentam penas menos severas em comparação àquelas feitas para punir, por exemplo, condutores embriagados.

A condução sonolenta é um problema que não foge da responsabilidade dos departamentos responsáveis pelo trânsito. Por conta disso, foram desenvolvidas, ao longo da parte lateral da pista, sequências compostas por protuberâncias, cujo propósito é alertar/despertar os condutores que saem da parte central. Aquilo que são conhecidas como “áreas de descanso”, quase sempre espaçadas, podem diminuir a fadiga do condutor. Lembremos que conduzir sob o efeito do sono é considerado uma infração pela maioria dos estados americanos. Atualmente, enfatiza-se a responsabilidade necessária para que o sono e o volante jamais andem juntos!

5 – Quem corre risco de ser vítima da condução sonolenta?

Entre motoristas de várias idades, com muita ou pouca experiência e inseridos em sociedades distintas, quem corre risco de ser vítima da condução sonolenta? Indiscutivelmente, todos os condutores estão sujeitos a este problema. Porém, percebe-se maior grau deste tipo de condução em determinado grupo. Os homens têm maior probabilidade de se envolverem em tal circunstância em comparação às mulheres, sem deixar de lado (como dito acima) pessoas de todas as idades.

6 – Condução sonolenta X Condutores jovens

Condutores jovens também enfrentam este problema, você sabia? Pessoas entre 18 – 29 anos de idade são consideradas propensas à condução sonolenta. Motivos? Inúmeros! Antes de tudo, é válido ressaltar que condutores jovens, comparados às pessoas de mais idade, resistem à sonolência com maior facilidade, embora eles também corram o risco de adormecerem abruptamente sobre o volante.

A maior parte dos adultos necessita, no mínimo, de sete a oito horas de sono noturno. Os adolescentes e adultos jovens carecem de nove horas de sono para, enfim, alcançarem um bom nível de funcionalidade durante o dia. Entretanto, acompanhando a rotina dos jovens, eles têm, em média, de cinco a sete horas de sono noturno. Horas passadas em claro podem ser acumuladas e esta “acumulação” chama-se “dívida de sono”. Após cinco dias, há uma dívida de 10 horas de sono, por exemplo. Este fator aumenta a probabilidade de o jovem adormecer dirigindo a quilômetros por hora (ainda mais no final de semana). Lembre-se: prevenir-se cuidando do sono é zelar pela vida!

De acordo com o Journal of Clinical Sleep Medicine, há uma ligação entre acidentes de automóvel e estudantes que começam o dia às sete da manhã. Outro estudo similar percebeu que as taxas de acidente automobilístico, que envolvem condutores adolescentes, caíram 16,5% a partir do momento em que as aulas passaram a ser mais tarde. Já sabemos que os jovens, biologicamente falando, têm facilidade para permanecerem acordados até mais tarde; os estudantes que cursam o ensino médio ou as universidades estudam além do horário de dormir. Livros e apostilas à parte, trabalhos populares também roubam horas preciosas de sono.

7 – Como os jovens devem lidar com este problema?

Em matéria de condução sonolenta, estima-se que motoristas entre 18 - 29 anos estão envolvidos em mais da metade dos acidentes ocorridos nos EUA. Publicados pela National Sleep Foundation, os seguintes dados nos mostram a notória presença de jovens em comparação a outras faixas etárias: (I) 18 a 29 anos: 71%. (II) 30 a 64 anos: 52%. (III) 65 anos ou mais: 19%.

Os jovens são incentivados a criarem um horário que seja adequado para as horas de sono, evitando a possibilidade de dirigir com sono e, portanto, zelar pela saúde. Por outro lado, o consumo de tabaco, álcool e/ou drogas, além do uso de dispositivos eletrônicos nas horas noturnas, são algumas das principais causas que privam os jovens de ter um bom descanso. Caso você opte por este estilo de vida, analise-o melhor, priorizando suas horas de repouso durante a noite. Sono de qualidade é sinônimo de longevidade.

8 – Condução sonolenta X Condutores comerciais

Saindo do âmbito universitário e adentrando o turno dos trabalhadores e condutores comerciais, mais informações nos aguardam!

Na atualidade, o trabalho por turno é estabelecido como qualquer horário laboral que se encaixe fora do dia padrão, entre nova da manhã e cinco da tarde. Existem, também, aquelas jornadas cujo turno começa à tarde e vai até meia-noite, sem que nada impeça isso de ir um pouco além. Há turnos que cobrem de 20 a 40 horas consecutivas. Estes horários são encontrados frequentemente em indústrias onde se faz necessária a presença humana 24 horas por dia, incluindo os setores de atendimento médico, proteção contra incêndio, entre outros.

Segundo o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional, acidentes automobilísticos representam, aproximadamente, 22% de mortes relacionadas ao trabalho. Ainda sobre este percentual, 7% das mortes têm a ver com a condução sonolenta. A condução sonolenta faz parte da rotina de indústrias particulares, nas quais o trabalho por turno é frequente. Estagiários médicos, por exemplo, que realizam o turno de 24 horas ou mais, têm grande chance de se envolverem em um acidente automobilístico, incluindo maior probabilidade de isso acontecer à medida que conduzem até ou desde o local de trabalho. Mas nem tudo parece estar pedido...

9 – Como os condutores comerciais devem lidar com este problema?

A fim de diminuir os riscos de dirigir com sono, há diversas maneiras de orientar os trabalhadores que enfrentam turnos. Reversar o volante com outro condutor durante um trajeto diminuirá o tempo de condução a cada semana. Caso o empregado se depara com turnos extensos ou horas extras, naturalmente diminuirá sua disposição para dirigir desde ou até o ambiente de trabalho. Calcula-se que as pessoas que trabalham mais de 60 horas por semana possuem 40% de probabilidade de estarem envolvidas em um acidente causado por condução sonolenta.

Para ter uma ideia nítida: aproximadamente 13% dos motoristas que dirigem para empresas colidem seu caminhão, pois estão sonolentos. Sabemos que este tipo de motorista convive com o perigo de quase sempre pegar estrada com o sono acumulado, afinal, dorme-se pouco a fim de preencher uma carga horária repleta de turnos e rigorosos prazos de entrega.

Determinados setores administrativos demonstram solidariedade para com estes profissionais. Assim, desaconselham os motoristas comerciais a conduzir seus veículos entre meia-noite e seis da manhã – também entre duas e quatro horas da tarde. São períodos que causam maior sonolência e morosidade. Tirar um cochilo de 45 minutos ou permitir-se sair da cama 15 minutos após o horário habitual pode ajudar os condutores comerciais a repor a energia durante as horas de descanso. Descanso que também pode fortalecer seu estado de alerta, não deixando de lado uma alimentação adequada, livre de medicamentos que estimulam o sono.

Mas os conselhos não param por aí! Damos ênfase, ainda mais, aos truques que mantêm o condutor acordado durante o trajeto, e isso inclui o consumo de tabaco, cafeína em excesso, bebidas energéticas, ligar o rádio ou usar o aparelho celular para filmar a paisagem. Em vez de apostar nestas técnicas efêmeras e enganosas, é importante que os condutores reconheçam os primeiros sinais apresentados pela sonolência, deixando a estrada de lado o quanto antes! Estes mesmos “truques”, aliás, não proporcionam o necessário para que o corpo continue trabalhando sem atender suas necessidades básicas, como o próprio sono.

10 – Condução sonolenta X Viagens aéreas

Além daqueles que operam seus veículos braçalmente, não nos esqueçamos dos homens de negócio que viajam com constância. Viagens de negócio envolvem trajetos extensos, fator que pode afetar o corpo. Convenhamos: os efeitos negativos afetam mais o corpo em caso de viagens internacionais. Este tipo de viagem implica no reajuste do sono com a hora local – fenômeno conhecido como Jet Lag, capaz de desencadear problemas como insônia e/ou fadiga. Não são apenas os passageiros quem sofre com este problema, mas também os pilotos e os muitos outros funcionários que movimentam as linhas aéreas (nada os impede de dirigir sob o efeito de sono após o expediente).

Saindo ou voltando para o aeroporto, aqueles que viajam a negócio devem tomar um táxi ou utilizar serviços semelhantes. Os profissionais que atuam nas linhas aéreas podem utilizar do mesmo método, ou compartilhar uma carona, ou reversar o volante do carro com alguém. Durante os voos prolongados é aconselhável adequar o sono ao fuso-horário de seu destino. Não consumir álcool, tabaco e outros “estimulantes”, tal qual cafeína, pode auxiliar no processo de adaptação.

11 – Transtornos do sono

Nossas linhas, neste artigo, também são dedicadas às pessoas que sofrem com transtornos do sono. Estes transtornos podem variar e, portanto, encontramos os seguintes casos:

  • Dificuldade para dormir durantes os períodos (noturnos) mais adequados
  • Incapacidade para manter um sono estável
  • Perda momentânea da respiração durante o sono (o que recebe o nome de apneia obstrutiva);
  • Grande predisposição para colocar-se dormindo a qualquer momento, mesmo durante a realização de atividades durante o dia (o que recebe o nome de narcolepsia).

É evidente que um condutor que sofre com este tipo de transtorno, mas ainda não odiagnosticou, tem grandes possibilidades de se envolver em um acidente. Os transtornos do sono afetam milhões de cidadãos americanos. Muitas pessoas, que são diagnosticadas com este mal, automedicam-se para estimular o sono e descansar o necessário durante o dia. Porém, ao usar estes medicamentos, deve-se ter atenção e fazê-lo com o acompanhamento de um médico ou profissional qualificado, pois, em doses exageradas, isso contribuirá para que haja a condução sonolenta. Se você, estimado visitante, sofre com um desses distúrbios, sugerimos consultar seu médico.

12 – Dicas de prevenção contra a condução sonolenta

Aqui está um dos pontos mais importantes deste artigo. Vejamos, agora, algumas orientações que podem ajudar você a não cair nesta cilada:

  • Descansar antes de pegar a estrada: Seja dormir o suficiente à noite, seja tirar um simples cochilo após o almoço, o importante é descansar o necessário antes de encarar o asfalto;
  • Leve um amigo: Passageiros podem ser úteis contra a condução sonolenta, incluindo a possibilidade de alguém (habilitado) assumir o comando do volante caso o atual motorista queira descansar ou não se sinta bem. De acordo com uma pesquisa, 82% dos incidentes causados pela condução sonolenta envolvem apenas um ocupante no carro;
  • Use os pontos de parada e descanso: São espaços seguros, nos quais você pode estacionar seu automóvel e, quem sabe, tirar um cochilo rápida;
  • Equilibre seu consumo de cafeína: A cafeína, como conhecemos, proporciona uma energia adicional. Podemos encontrá-la em chás, bebidas carbonatadas (refrigerantes) e até na composição do próprio chocolate. Se o cansaço permanecer após uma xícara de café, é hora de buscar um lugar seguro para repousar;
  • Mastigue chiclete: Eis uma boa tática para obter um pouco mais de energia. Além desfrutar do sabor, mascar chiclete é uma forma de exercício, pois movimenta os músculos da mandíbula, estimulando seus sentidos e, ao mesmo tempo, ampliando seu estado de alerta;
  • Respire ar fresco: Sentiu sono? Abra as janelas do carro ou ajuste o sistema de ventilação, isso pode diminuir os níveis de dióxido de carbono e reduzir o risco de dirigir com sonolência;
  • Escute música: O rádio pode ser uma das melhores companhias para o condutor. Escutá- lo ajuda, uma vez que o ritmo da música pode ser essencial contra a condução sonolenta. Para isso, opte por escutar uma música mais animada;
  • Se possível, conduza enquanto o sol estiver a pino: A luz solar estimula seu cérebro e aumenta seu estado de alerta à medida que dirige, além de a luz do sol ser uma fonte rica em vitamina D (aspecto que, inclusive, pode ajudar você a dormir melhor à noite);
  • Procure um alojamento na estrada: Sente-se incapacitado para continuar a viagem?
  • Procure um lugar à beira da estrada (hotel, motel, albergue etc.) Há lugares que oferecem um preço excelente para quem deseja dormir por apenas algumas horas. Assim, você economizará e não perderá tanto tempo de viagem;
  • Use algum aplicativo para celular: a tecnologia está a serviço dos condutores que sofrem com este mal. Drowsy Driver é um aplicativo que possui o sistema operacional Android e serve para monitorar os olhos do condutor enquanto o celular, por sua vez, permanece posicionado no painel do carro.
Referências bibliográficas
https://www.tuck.com/drowsy-driving/
http://drowsydriving.org/

Postado em Diversos e Estudos no dia 16 de Abril de 2018 e última atualização dia 23 de Agosto de 2018

Comentários

Leia também...

Suítes para casais que dormem separados viram tendência nos EUA

Um detalhe bastante peculiar está chamando a atenção do mercado imobiliário americano: casas de luxo com suítes master separadas estão caindo no gosto dos casais de Nova York. A ideia tem agradado homens e mulheres que não possuem os mesmos hábitos noturnos de seus pares, ou que simplesmente desejam fugir do padrão. Uma pesquisa feita ... Leia o artigo »

24/03/2017

Modelos de fones de ouvido para dormir

Já falamos aqui que dormir com fones de ouvido pode não ser muito confortável, mas levando em consideração que existem fones de ouvido feitos especialmente para proporcionar conforto na hora de dormir, a história é outra... Seja para dormir escutando música, podcasts e até ruídos brancos, os fones de ouvido também s&atild... Leia o artigo »

15/03/2015

Saiba as consequências de dormir pouco e mal

Alguns dos principais efeitos de uma noite de sono ruim é se sentir grogue, lento, as vezes mal humorado e não conseguir aproveitar o dia ou dar o seu melhor no trabalho ou estudo. Esses são efeitos conhecidos, mas a privação do sono também traz consequências profundas para sua saúde física e mental. O custo de dormir pouco e/ou mal &ea... Leia o artigo »

11/03/2017