'Pessoas que roncam sempre dormem primeiro :(' Triste Verdade

Pouco sono provoca solidão e rejeição social

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, Berkeley, descobriram, através de estudos científicos, que as pessoas privadas de um tempo saudável de sono sentem-se mais solitárias e evitam se envolver socialmente com outras pessoas.

O estudo também revela que esse comportamento alienante tem resultados ainda mais devastadores, uma vez que esses indivíduos privados do sono se tornam "desinteressantes" para as pessoas que apresentam uma rotina de sono saudável. Tal comportamento se justifica pelo fato de que as pessoas bem descansadas continuam se sentindo “sozinhas” depois de um breve encontro com a pessoa privada de sono, resultando nesta última, em um potencial isolamento social.

Essa pesquisa, que foi publicada em agosto desse ano na revista Nature Communications, são as primeiras a revelarem a existência de uma ligação entre a perda de sono e o isolamento social, trazendo à luz um novo aspecto a respeito da epidemia global de solidão que acomete os tempos pós-modernos.  

Através de inúmeras ressonâncias magnéticas, os cientistas perceberam que quando as pessoas privadas de sono viam vídeos de estranhos andando até eles, estes, por sua vez, revelavam uma expressiva atividade de repulsão social nas redes neurais que são ativadas, justamente, quando sentimos que nosso espaço está sendo invadido.

Por fim, os pesquisadores analisaram se apenas uma noite de sono boa ou ruim poderia influenciar no sentimento de solidão que surgiria no dia seguinte. O estado de solidão de cada pessoa foi monitorado por meio de uma pesquisa padronizada que consistia em perguntas como: "Com que frequência você se sente isolado dos outros" ou "Você acha que não tem ninguém com quem conversar?".

Os pesquisadores, a título de conclusão, descobriram que a quantidade de sono que uma pessoa leva de uma noite para a outra se relaciona com precisão com o quão solitária e insociável ela se sentirá no dia seguinte.

Fonte:
https://www.sciencedaily.com/releases/2018/08/180815171117.htm

Postado em Estudos e Notícias no dia 06 de Setembro de 2018

Comentários

Leia também...