'Um dia bem gasto traz um sono feliz.' Leonardo da Vinci

O sono na Antiguidade - Costumes e curiosidades

Capa post - O sono na Antiguidade - Costumes e curiosidades

Texto: Postado em Curiosidades por Caio Cesar no dia 29 de Outubro de 2019 .

Desde o primeiro sopro de vida, dormir é uma necessidade comum à natureza humana. Fato. O sono atravessa gerações, desafia a ciência e ocupa um lugar em cada cultura. Inevitável é a presença de costumes singulares, sobretudo quando miramos o passado e analisamos o sono na Antiguidade.

No artigo de hoje, convidamos você para uma viagem no tempo. Conheceremos, nas próximas linhas, usos e costumes relacionados ao sono nas principais civilizações antigas. E não se esqueça: dormir bem é viver bem.

Boa leitura!

1 - Conhecendo o sono na Antiguidade

1.1 -  Romanos 

Festas regadas a vinho, orgias e sacrifícios aos deuses: excentricidades que renderam grande fama aos antigos romanos. O luxo, peculiar, embelezava o quarto dos cidadãos mais prósperos, que dormiam em camas de madeira nobre e enfeitadas com ouro, prata, bronze ou marfim. Conchas do mar também eram outro idem decorativo comum.

As camas romanas, quase sempre, possuíam cabeceira e estribos. Como material de enchimento para colchões, a palha, o junco e a lã eram três componentes habituais. Entretanto, homens e mulheres da alta sociedade preferiam a tradicional plumas de ganso. Tendência que ainda conservamos — quem diria, não?!

As classes menos favorecidas dormiam em camas simples. O colchão era recheado com palha e coberto com a pele de algum animal.

É apropriado dizer que as camas iam além dos costumes convencionais. Elas eram utilizadas durante reuniões, momentos de lazer e fartos banquetes. Outros romanos, aqueles que disfrutavam do alto poder aquisitivo, tinham uma cama para cada ocasião!

Despertar-se durante a noite — o que muitos, hoje, chamam de insônia — não era motivo de aborrecimento para os romanos. Nestas horas, [1] aproveitavam o tempo de forma bem produtiva, com trabalho ou estudos. Eles, sim, levavam a sério o conceito Carpe Diem.

Talvez você esteja se perguntando: “Como eles lidavam com os sonhos?”. Pois bem: o modo como interpretavam este fenômeno estava diretamente ligado aos gregos — digo, a interpretação dos sonhos foi uma herança transmitida pelos cidadãos atenienses. Para se ter uma ideia, o imperador César Augusto acreditava que todo sonho era por si só uma profecia, e criou uma lei polêmica: todo cidadão romano, que tivesse um sonho referente ao império, deveria contá-lo publicamente no mercado da cidade.

Os sonhos se transformaram em um assunto muito discutido entre estudiosos e intelectuais. Muitos ousavam dizer que os sonhos não eram uma inspiração divina, mas sim, um reflexo das paixões e das práticas na vida quotidiana — concorda?

1.2 - Egípcios

O luxo egípcio não menosprezava os detalhes. O modelo predominante de cama exibia, através de linhas entalhadas, desenhos artísticos delicados. Havia capricho até nos pés que serviam de apoio, uma vez que suas formas imitavam a pata de um animal.

A parte superior da cama, que servia para sustentar a cabeça, também passava pelas mãos do artista carpinteiro. Trata-se de um apoio acolchoado, que oferecia maior comodidade. Aliás, até era possível dispensar o uso de travesseiros, pois eles costumavam aumentar o nível de transpiração em terras egípcias, famosas pelo calor, pelo mistério milenar.

Os habitantes do Antigo Egito também tinham estribos na cama, para que não caíssem durante o sono. Era normal a cama ser inclinada, a fim de manter a cabeça levantada — qual seria a real finalidade disso? Facilitar a respiração? Evitar refluxo gástrico? A estrutura da cama era reforçada por juncos, oferecendo uma base segura para o colchão.

Por falar em colchão, naquele tempo este objeto era composto por ripas de madeira e almofadas revestidas de tecidos confortáveis, como a lã, por exemplo.

Lençóis de linho eram uma peça indispensável, obra artesanal fabricada por mulheres pobres que o tinham como única fonte de renda.

Certas fontes [2] ainda revelam: aquele que ocupava o topo da pirâmide social, o faraó, descansava em leitos inteiramente de ébano e ouro (o rei Tutancâmon é um exemplo que cabe aqui). Era comum encontrar nos aposentos do faraó móveis adornados com prata, bronze, ébano e marfim.

Longe dos palácios faraônicos, muitos egípcios pobres não tinham cama e, portanto, contentavam-se dormindo no chão ou sobre um bocado de folhas de palmeira. Alguns homens miseráveis até possuíam um local para repousar, isto é, colchões simples e preenchidos com palha ou lã.

A cultura egípcia via nos sonhos um significado divino. Por isso, solicitavam a ajuda de pessoas cuja única finalidade era interpretar sonhos enquanto, nos templos, havia a celebração de rituais, a oferta de sacrifícios e orações, para que os deuses concedessem o dom de adivinhar o futuro durante o sono.

Os faraós, tidos como seres divinos, atribuíam aos seus sonhos um significado especial, como se houvesse uma conexão direta entre estes homens e os deuses.

1.3 - Gregos

Não diferente das culturas mencionadas nos parágrafos acima, somente as pessoas ricas dormiam em camas na Grécia Antiga. Eram, a princípio, camas muito semelhantes às modernas, sabia? Também eram camas feitas de madeira e modeladas por um carpinteiro hábil. Porém, em razão da mão-de-obra, as camas eram um objeto muito caro.

Os gregos que não podiam comprar sua cama, dormiam no chão, usando a própria túnica como cobertor ou travesseiro.

O sonho tem um papel importante na cultura grega. O Oráculo de Delfos, por exemplo, que influenciou a sabedoria grega, emitiu diversas profecias baseadas em sonhos. Aristóteles [3] disse certa vez que os seres humanos podem conquistar uma sabedoria pura durante o sono, afinal, “nesse momento nossa mente alcança a liberdade”. 

É importante destacar que os gregos não recorriam aos sonhos só para adivinhar o futuro, mas também conquistar a prosperidade no presente. Ironicamente, hoje isso se repete, basta pensar naquelas pessoas que sonham com certo animal e, logo, consideram-no uma aposta válida para o Jogo do Bicho — cuidado para não dar Zebra!

Gregos famosos, como no caso de Hipócrates, diziam que os sonhos sinalizavam sinais importantes que condiziam com a saúde física e mental. Podemos apostar que ele foi o primeiro homem a não ver qualquer ligação entre os sonhos e os deuses. Aos poucos, a humanidade foi despertando... 

Referências bibliográficas:
[1] https://www.manifatturafalomo.com/blog/sleep-tips/insomnia-ancient-romans/
[2] https://www.sealy.co.uk/about-sealy/inside-sealy/sealy-blog/2014/december/the-history-of-beds-and-mattresses/
[3] https://blog.snoozester.com/history-and-meaning-of-dreams-in-ancient-cultures/

Comentários

Leia também...

7 Dicas para dormir bem durante viagens

À medida que planejamos uma viagem, nós nos deparamos com uma série de prioridades, seja escolher um bom hotel, seja traçar um roteiro de visitas – até aqui, tudo bem! No entanto, existe uma questão importante que às vezes não recebe a devida atenção: como dormir bem durante uma viagem? É o que trataremos nas pr&oac... Leia o artigo »

29/05/2019

Simpatia para dormir, funciona?

Nunca fui de fazer simpatias, mas hoje pesquisando sobre o sono, me dei de cara com algumas simpatias para dormir. O que me chamou atenção é que elas realmente funcionam, seja pelo efeito de acreditar ou por causa de alguma coisa usada na simpatia. O primeiro e principal motivo pelo qual simpatias funcionam é porque a pessoa acredita firmemente que aquilo vai acontecer,... Leia o artigo »

05/05/2015

Faz mal dormir com meu animal de estimação?

A verdade é que milhares de donos de cachorros, gatos entre outros animais de estimação dividem a mesma cama que dormem. Uma pesquisa [1] da American Pet Products Association, constatou que quase metade dos cães dormem na cama com seus donos. A mesma pesquisa, constatou que 62% dos gatos dormem com seus donos adultos e outros 13% dormem com as crianças. Apesar da... Leia o artigo »

02/07/2016

O sono na Antiguidade - Costumes e curiosidades

Desde o primeiro sopro de vida, dormir é uma necessidade comum à natureza humana. Fato. O sono atravessa gerações, desafia a ciência e ocupa um lugar em cada cultura. Inevitável é a presença de costumes singulares, sobretudo quando miramos o passado e analisamos o sono na Antiguidade. No artigo de hoje, convidamos você para uma viagem no... Leia o artigo »

29/10/2019

Os benefícios do banho morno antes de dormir

Você sabia que um banho morno antes de deitar pode ajudá-lo a dormir melhor? Além dos beneficios de relaxamento, você coloca seu corpo em ‘modo sono’, tirando proveito da temperatura da água que efeta seu ritmo circadiano. Reduz sua temperatura corporal Um estudo feito pelo Centro Médico UT Southwestern [1] mostrou que a temperatura corporal ajud... Leia o artigo »

15/03/2016