'Pessoas que roncam sempre dormem primeiro :(' Triste Verdade

Pouco sono é prejudicial a longo prazo

Capa post - Pouco sono é prejudicial a longo prazo

Texto: Postado em Notícias por Marcelo Morais no dia 22 de Novembro de 2016 e última atualização dia 19 de Julho de 2018 .

Descuidos no sono durante a meia-idade aumentam o estresse e a tensão, além de ser prejudicial à saúde depois na velhice, segundo Kathryn Doyle. De acordo com um estudo realizado na Finlândia, trabalhar longas horas e também reduzir as horas de sono podem provocar uma saúde mais debilitada a longo prazo.

Durante 26 anos, diversos empresários finlandeses foram observados. Aqueles que costumavam trabalhar mais de 50 horas semanais e dormiam menos de 47 horas semanais estavam com a saúde mais debilitada, quando comparados aos seus colegas que tinham hábitos de trabalho e sono mais harmônicos quando eram mais jovens.

"Estes resultados estão coerentes com nossa hipótese, embora não tivessemos certeza que detectaríamos esta relação de longo prazo", disse a pesquisadora-chefe Mikaela Birgitta von Bonsdorff, da Universidade de Jyvaskyla.

Ela e outros co-autores examinaram um grupo bem específico de homens de negócio. Os pesquisadores usaram dados do Helsinki Businessmen Study (HBS), um longo estudo sobre a saúde física e mental de empresários em Helsinki, para acompanhar a saúde de mais de 1500 homens brancos e nascidos entre 1919 e 1934.

Cerca de 1500 homens informaram suas condições de saúde, horas de trabalho e de sono, em 1974, quando estavam, em média, com 40 anos ou mais de idade. Em 2000, repetiram a mesma pesquisa quando já estavam com mais de 60 anos.

Durante seus anos de trabalho, quase metade do grupo original de homens tinha, o que os pesquisadores consideravam, horas de trabalho normais de menos de 50 horas por semana e 352 homens trabalhavam mais de 50 horas por semana.

Os pesquisadores descobriram que os homens que tinham longas horas de trabalho e sono curto tinham menores pontuações quanto à condições físicas, vitalidade e saúde em geral comparados ao grupo que tinha horas de trabalho e sono considerados normais.

O fumo durante a meia-idade e erros no preenchimento da pesquisa poderiam explicar alguns dos resultados negativos. Mas não para todos.

Levando em conta atualmente, "eu acredito que as horas de trabalho oficiais não são tão longas hoje em dia, mas o tempo que as pessoas realmente trabalham - por exemplo, lendo e-mails - não está incluído nas horas de trabalho oficiais e, portanto, meu pensamento é que as pessoas hoje trabalham muito mais do que informado", diz Von Bonsdorff.

Poucas horas de sono aumentam o estresse e a tensão, aspectos que não contribuem para uma boa qualidade de vida. Problemas no sono estão relacionados a uma vida pouco saudável.

"Trabalhadores com relatos de distúrbios do sono ou com privação de sono sofreram mudanças físicas, cognitivas e emocionais, além de um enfraquecimento no sistema imunológico", diz o Dr. Marco Tulio de Mello, da Universidade Federal de Minas Gerais, mas que não fazia parte deste novo estudo.

"Este é um estudo emocionante porque o acompanhamento dos pacientes é excepcionalmente longo, 26 anos", diz o Dr. Mika Kivimaki, da Universidade de Londres, no Reino Unido, que também não fazia parte do estudo. "Ele também adiciona um novo elemento para a pesquisa sobre longas jornadas de trabalho, visto que o excesso de trabalho em combinação com menos horas de sono resultaria em um estilo de vida estressante muito pior."

"Os resultados indicam que é importante descansar depois de longas jornadas de trabalho", diz Von Bonsdorff.

Fonte: Business Live

Comentários

Leia também...

Com a crise, insônia chega a atingir 50% da população

Renda reduzida, consumo menor e o fantasma do desemprego estão fazendo com que brasileiros passem noites em claro. Em tempos de turbulência, insônia pode atingir até 50% da população. Não adianta deixar o quarto escuro, desligar a televisão, rezar ou contar carneirinhos. A crise atual pela qual passa o Brasil tem prejudicado não só... Leia o artigo »

27/06/2016

As horas de sono seriam a chave para o tratamento da depressão?

A medicação é uma importante parte no tratamento de pacientes com transtorno depressivo maior (ou major depressive disorder, em inglês), mas o início do uso de antidepressivos nem sempre é tranquilo. Pode-se levar até 6 semanas para que uma pessoa responda à farmacoterapia e, ainda assim, a taxa de remissão (quando o transtorno deixa de... Leia o artigo »

26/10/2016

Reconhecendo e diagnosticando AOS em idosos

Recentemente, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Michigan promoveu um estudo inédito tendo como objetivo medir quantos idosos sofrem com a Apneia Obstrutiva do Sono, bem como, a frequência com que os profissionais de saúde tratam esses idosos. Os cientistas recolheram as informações disponibilizadas pelo National Health and Ageing Trends Study (NHATS),... Leia o artigo »

21/08/2018

Apple aposta na monitorização do sono

A gigante da tecnologia com sede em Cupertino, Califórnia, adquiriu a Beddit, fabricante de hardware e software de monitoramento do sono, segundo uma mensagem postada no site da empresa de capital fechado com sede na Finlândia. Não foi revelado o preço de compra e uma porta-voz da Apple preferiu não comentar. A Beddit vende uma tira com sensor a US$ 150 que pode s... Leia o artigo »

12/05/2017

Segundo pesquisa, 80% dos paulistanos têm dificuldade para dormir

Saiu na Veja SP (por Ana Carolina Soares): 80% dos paulistanos têm dificuldade para dormir. A tecnologia contribui para o aumento no índice, já que luz emitida por tablets e smartphones inibem a produção de hormônios que induzem ao sono. O epíteto de “cidade que não dorme” nunca foi tão adequado para São Paulo. H&... Leia o artigo »

20/08/2016

Compartilhe

Preencha seus dados aqui e junte-se a 4963 pessoas e receba no seu email dicas para dormir melhor.

Sobre

Passamos em média 36% da nossa vida dormindo e sabemos que uma noite ruim de sono significa num dia não muito bom pela frente. Através da nossa loja e blog, nosso objetivo é ajudar você dormir melhor. Leia um pouco sobre nossa história.