'A pior coisa é tentar dormir e não conseguir.' F. Scott Fitzgerald

Oxigenoterapia - O que é e como pode beneficiar o sono?

Capa post - Oxigenoterapia - O que é e como pode beneficiar o sono?

Texto: Postado em Estudos e Curiosidades por Mateus no dia 16 de Agosto de 2018 .

Para diversas pessoas, a oxigenoterapia ainda soa como novidade, embora não seja um tratamento tão recente. Utilizar este recurso beneficia a saúde em vários aspectos, contando com a cura de doenças que afetam o sono. Nesse artigo, definiremos o que é a oxigenoterapia, quais são as vantagens oferecidas por ela, quem necessita usá-la e uma série de informações que valem a pena serem conferidas. Boa leitura!

1 - O que é a oxigenoterapia?

A oxigenoterapia é um tratamento cuja função é fornecer oxigênio, sendo um grande auxílio às pessoas que portam transtornos respiratórios e são incapazes de obter a quantidade necessária de oxigênio. Ao fazer uso desse método, os pacientes percebem um aumento no nível de energia, mais qualidade no sono, eficácia no metabolismo e fortalecimento muscular.

2 - Quais pessoas precisam da oxigenoterapia?

As pessoas que necessitam fazer uso desse método medicinal são aquelas que possuem os seguintes transtornos:

  • Asma
  • Insuficiência cardíaca
  • Apneia do sono
  • Doença pulmonar
  • Pneumonia
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)
  • Trauma no sistema respiratório
  • Fibrose cística

Analisando separadamente a urgência de cada paciente, a oxigenoterapia varia seu tempo de uso. Há aqueles pacientes que passam pelo tratamento com frequência, outros temporariamente ou apenas em certos momentos. O local para realizar a oxigenoterapia pode mudar, sendo feita ora no consultório médico, ora em casa.

2.1 - Oxigenoterapia: como saber se devo usá-la?

Determinados exames seriam necessários antes de recorrermos à terapia apresentada aqui. Um deles analisaria a quantidade de oxigênio no sangue arterial. Outro, mais prático, seria realizado a partir de um oxímetro de pulso, o que dispensaria qualquer amostra sanguínea. Caso você passe por um desses exames e isso evidencie sinais de baixa oxigenação, é possível que a oxigenoterapia lhe seja fundamental.

Dados informam que o nível normal de oxigênio no sangue arterial está entre 75 e 100mmHg (milímetro de mercúrio). Se a taxa de oxigênio estiver em 60mmHg ou menos, recomenda-se o uso de suplementos que aumentem a quantidade de oxigênio. Entretanto, o nível de oxigênio não deve ultrapassar 110mmHg, pois obter oxigênio em demasia também pode colocar a saúde em rico, visto que existe a possibilidade de destruir as células pulmonares.

2.2 - Falta de oxigenação: sintomas

Quando não alcançamos a quantidade necessária de oxigênio, estamos sujeitos aos seguintes sintomas:

  • Respiração rápida
  • Tosse
  • Mudança na coloração da pele
  • Transpiração
  • Frequência cardíaca rápida
  • Dificuldade para respirar
  • Inquietação

3 - Quais são os benefícios da oxigenoterapia?

Uma infinidade de distúrbios - junto àqueles mencionados acima - não resiste à reação benéfica da oxigenoterapia. Usando-a como um tratamento regular, você se tornará uma pessoa mais ativa e ágil. Assim, você não terá apenas pulmões revigorados, mas também uma vida com maior qualidade e longevidade.

A oxigenoterapia também pode ajudar crianças que nascem com problemas pulmonares crônicos. Aliás, durante o crescimento, elas poderão se desenvolver melhor.

O referido tratamento se mostra eficaz contra dores de cabeça (causadas por falta de oxigenação) ou mudanças de comportamento. Esta terapia também funciona contra esses indesejáveis sintomas:

  • Irritabilidade
  • Fadiga
  • Tornozelos inchados

3.1 - Como a oxigenoterapia beneficia o sono?

Em geral, pessoas que têm problemas respiratórios buscam dar um jeitinho para dormirem melhor. Por exemplo: elas costumam se apoiar em almofadas a fim de facilitar a respiração, o que pode ser algo perigoso. A oxigenoterapia oferecem benefícios (citados no início do tópico no3) e isso acaba sendo refletido positivamente no sono. Contudo, a oxigenoterapia é um tratamento para as pessoas que sofrem de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Pacientes que sofrem com essa doença necessitam receber a oxigenoterapia durante, pelo menos, 15 horas diárias.

4 - Conselhos de segurança

Esse tópico requer a máxima atenção dos pacientes ou das pessoas que desejam adotar a terapia com oxigênio. Você, estimado leitor, não deve se esquecer dos seguintes pontos:

  • Não fume nem mantenha chamas acesas onde tenha uma pessoa obtendo oxigênio extra. Aqui, ressaltamos que é necessário ter cuidado com tanques de oxigênio, pois o próprio oxigênio auxilia na combustão, alimentando-a. Após utilizar o aparelho, lembre- se: guarde-o em um lugar seguro.
  • Armazene o aparelho de oxigenação em lugares espaçosos e com livre circulação de ar.
  • Enquanto você estiver utilizando o fogão, não leve o referido aparelho à cozinha. Mantenha-o longe do forno e do botijão de gás.
  • Se possível, coloque alarmes de incêndio em casa. Isso evitará o agravamento de certas situações.
  • Ao utilizar o aparelho ou mantê-lo junto consigo, tenha cuidado ao se locomover. Por falta de atenção, você poderá se acidentar ao tropeçar nele.
  • Enquanto você realiza o tratamento, abstenha-se do consumo de álcool ou qualquer substância tóxica, pois isso diminuirá a velocidade de sua respiração. Se você estiver fazendo uso de outros medicamentos, mantenha seu médico informado o mais rápido possível.

5 - Oxigenoterapia: como é esse tratamento em etapas?

Caso você necessite optar por esse tratamento, seu médico, em primeiro lugar, irá lhe prescrever uma receita, indicando como e com qual frequência a medicação deve ser usada. É fundamental que você siga as exigências feitas pelo acompanhamento médico, e isso incluirá o fluxo ou a quantidade necessária de oxigênio por minuto. Ter disciplina é a chave para alcançar o êxito na luta contra diversas doenças.

Ainda sobre utilizar o oxigênio: você poderá necessitá-lo apenas em certos momentos, como ao realizar uma atividade física ou durante o sono. No entanto, outras pessoas precisam de oxigênio extra constantemente, motivo pelo qual lhes é indispensável tanques de oxigênio pequenos e portáteis, facilitando seu deslocamento dentro ou fora de casa. Permanecer enclausurado por haver limitações colocaria em jogo a autoestima do paciente.

6 - Quais são os outros tipos de terapia com oxigênio?

6.1 - Oxigênio líquido

O oxigênio líquido possui um teor com maior concentração. Desse modo, mais oxigênio pode ser armazenado em um tanque menor, que também oferece portabilidade e é recarregável. Trata-se de uma opção indicada para pessoas que levam uma vida agitada. Atenção! O oxigênio líquido evapore com facilidade ao ser utilizado incorretamente.

6.2 - Oxigenoterapia hiperbárica

Quem faz uso dessa terapia, recebe oxigênio puro em um cômodo especial ou em uma câmara pressurizada. Em detalhes, especificamente nas câmaras hiperbáricas, a pressão de ar é aumentada três ou quatro vezes em comparação ao nível normal e, em consequência, há maior presença de oxigênio no corpo do paciente.

A oxigenoterapia hiperbárica é diferente de outros tratamentos que utilizam oxigênio, sendo útil para tratar feridas, infecções graves ou até mesmo bolhas de ar nos vasos sanguíneos. Deve- se ter cuidado para que, ao passar por essa terapia, os níveis de oxigênio não sejam altos demais.

6.3 - Gás oxigênio

Esse método terapêutico está sujeito a adaptações, visto que o gás oxigênio, dentro de casa, pode ser armazenado em um concentrador maior e, fora de casa, conservado dentro de um tanque pequeno e portátil (ambos os aparelhos são apelidados de sistema de gás comprimido). É relevante salientar que os tanques pequenos devem ser usados com dispositivos de conservação, para que enfim o gás dure mais. Ao ser utilizado, o paciente não recebe o gás com frequência, mas sim, ao ritmo de um estímulo pulsátil.

6.4 - Concentrados de oxigênio

Um concentrador retira oxigênio do ambiente, concentrando-o e eliminando outros gases que surgem de forma natural. Assim, ele se torna ideal para o consumo. Infelizmente, os concentradores de oxigênio não oferecem tanta mobilidade. Porém, os concentradores de oxigênio oferecem baixo custo e não precisam ser reabastecidos como os tanques mencionados acima. Boa notícia: o mercado também oferece concentradores portáteis, apesar de quase todos os concentradores ainda serem grandes em demasia, dificultando a locomoção dos pacientes.

A mecânica desse tratamento funciona a partir da distribuição de oxigênio, que é produzido por um tanque e, através de um tubo, chega até o paciente. Quem recorre a tal método, pode usar tubos nasais, máscara facial ou um tubo em contato direto com a traqueia.

6.5 - Qual é o tratamento mais comum com oxigênio?

O método mais comum oferece a utilização de um cano que passa pelas fossas nasais. Outros métodos que fornecem oxigênio incluem (1) máscaras de respiração, (2) incubadoras para recém-nascidos ou (3) pressão positiva contínua na via aérea.

7 - Considerações finais

Pessoas que sofrem com distúrbios respiratórios têm uma vida ativa e normal ao receber oxigênio extra. Isso também é válido para pessoas com problemas crônicos. Elas se sentem mais resistentes e com menos dificuldades ao respirar. Á medida que o paciente aprende a administrar bem os recursos oferecidos pela oxigenoterapia, há o surgimento de uma rotina comum e fácil de ser levada. É satisfatório saber que em certos casos a oxigenoterapia pode, sim, aumentar a expectativa de vida.

Referência bibliográfica:
[1] https://www.healthline.com/health/oxygen-therapy#copd
[2]https://www.oxygenconcentratorstore.com/blog/using-oxygen-while-you-sleep/
[3]https://www.sleeprestfully.com/blog/benefits-of-home-oxygen-concentrators/

Comentários

Leia também...

Seu quarto é confortável o bastante para dormir?

Você se alimenta bem, bebe bastante água, pratica exercícios, não fica muito tempo em telas de computadores, TVs e etc e mesmo assim não consegue dormir bem a noite? Quer dormir que nem um bebê todas as noites e já fez tudo para dormir bem e mesmo assim continua a não ter um sono repousante e tranquilo? Um estudo feito pela Funç... Leia o artigo »

07/02/2016

Depressão está diretamente ligada ao sono

A ligação entre a depressão e noites mal dormidas foi comprovada e identificada pela primeira vez através de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Warwick (Reino Unido) e da Universidade de Fudan (China). Os cientistas descobriram que existe uma conectividade funcional entre as áreas do cérebro associadas à memória de curto... Leia o artigo »

31/08/2018

Noite de sono ruim resulta em ganho de peso e perda muscular

Uma noite de sono mal dormida pode acarretar em consequências mais severas do que apenas o cansaço no dia seguinte. De acordo com um estudo promovido pelo Dr. Jonathan Cedernaes, da Universidade Feinberg, Chicago, quando os homens adultos abrem mão de uma noite de sono regular, seus corpos apresentam mudanças hormonais que promovem o ganho de peso e a perda muscular. No ... Leia o artigo »

20/09/2018

Pouco sono provoca solidão e rejeição social

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, Berkeley, descobriram, através de estudos científicos, que as pessoas privadas de um tempo saudável de sono sentem-se mais solitárias e evitam se envolver socialmente com outras pessoas. O estudo também revela que esse comportamento alienante tem resultados ainda mais devastadores, uma vez que esses indiví... Leia o artigo »

11/09/2018

Falta de sono está associada à pré-diabetes e alto IMC

Um estudo que analisou participantes asiáticos, sendo liderado pelo Dr. Sirimon Reutrakul - professor associado de endocrinologia, diabetes e metabolismo da faculdade de medicina da UIC – foi publicado na revista Frontiers in Endocrinology, vez que este comprovou que há uma ligação entre hábitos noturnos, pouco sono e diabetes. Pré-diabetes é ... Leia o artigo »

08/10/2018