'Que os seus sonhos te levem cada vez mais longe.' Dorminhoco.com

O que é a hipersonia?

Capa post - O que é a hipersonia?

Texto: Postado em Curiosidades e Distúrbios do sono por Mateus no dia 12 de Outubro de 2018 .

Suponhamos que você deseja percorrer um pequeno trajeto. Sem demora, pega um ônibus, ocupa qualquer assento e, aos trancos e solavancos, segue viagem observando a paisagem. Mas contratempos rotineiros causam demora. Então, você fecha os olhos e dá asas aos pensamentos, enquanto o sono chega de mansinho, colocando peso em suas pálpebras, sugando o melhor de suas energias...

Seja em um transporte coletivo, seja no banco de uma praça sossegada, quem nunca lutou contra o sono repentino? Até certo ponto, trata-se de um efeito comum, afinal de contas, todos nós estamos sujeitos a isto. Porém, devemos nos preocupar quando a sonolência é um aspecto constante no dia a dia.

Neste artigo, dedicaremos as próximas linhas à hipersonia, apresentando sua definição, sintomas, formas de tratamento e uma série de informações valiosas.

Boa leitura!

1 - O que é a hipersonia?

A hipersonia é uma condição que gera sonolência acima do normal. Ela também atende pelo nome de Sonolência Diurna Excessiva (SDE). Neste caso, o grau de sonolência é constante a ponto de atrapalhar as atividades de uma pessoa no decorrer do dia. Alguém que tem hipersonia pode ser tomado pelo sono a qualquer momento, em qualquer lugar, mesmo na mesa de trabalho ou atrás do volante. Perigo!

Ela, a hipersonia, também é capaz de afetar a qualidade do sono e prejudicar a saúde física, causando falta de energia ou até ausência de clareza mental.

De acordo com a National Sleep Foundation, até 40% das pessoas possuem alguns sintomas relacionados à hipersonia. Os estudos realizados pela American Sleep Association afirmam que os homens sofrem mais de hipersonia que as mulheres.

2 - Quais são os tipos de hipersonia?

Pode-se classificar a hipersonia em primária ou secundária.

2.1 - Hipersonia primária

É um tipo de hipersonia que não deriva de qualquer doença subjacente. Ela causa apenas um sintoma: cansaço em excesso.

Acredita-se que esta hipersonia é causada por problemas no sistema cerebral, principalmente nas partes relacionadas ao sono e à vigília.

2.2 - Hipersonia secundária

Trata-se de uma hipersonia relacionada a doenças subjacentes, como insuficiência renal ou fadiga crônica, por exemplo. Estas doenças atrapalham o descanso noturno de inúmeros pacientes e os deixa bastante fadigados durante o dia.

3 - Hipersonia e narcolepsia: qual é a diferença?

A narcolepsia é uma doença neurológica. Seus portadores sofrem ataques repentinos de sono e, assim, literalmente “apagam”. As pessoas com hipersonia, apesar do esforço para se manterem acordados, conseguem ser atuantes.

4 - Sintomas

Dentre os sintomas, pode-se destacar como principal o cansaço excessivo. Pessoas que têm hipersonia não aliviam seus sintomas após cochilar. Elas, aliás, não despertam com facilidade após dormir longas horas. Vejamos outros sintomas:

  • Irritabilidade
  • Energia baixa
  • Ansiedade
  • Inquietação
  • Perda de apetite
  • Raciocínio lento
  • Memória oscilante

5 - Causas

Pode-se dizer que, em princípio, há várias causas significantes que contribuem para o aparecimento da hipersonia. Dentre elas, podemos citar:

  • Passar noites em claro (insônia)
  • Sobrepeso
  • Consumo excessivo de drogas e álcool
  • Tabaco
  • Depressão
  • Doenças cardíacas
  • Problemas de tireoide
  • Sofrer uma lesão na cabeça
  • Possuir alguma doença neurológica. Exemplo: mal de Parkinson ou esclerose múltipla
  • Certos medicamentos receitados (tranquilizantes ou anti-histamínicos)
  • Genética, isto é, casos de hipersonia na família
  • Neste ponto, destacamos duas doenças relacionadas ao sono: narcolepsia (causadora de sonolência diurna) e a apneia obstrutiva do sono (interrupções que afetam a respiração durante o sono)

6 - Diagnóstico

Você se sente sonolento durante o dia? Esta sonolência é constante? Se sim, consulte logo o profissional responsável pela sua saúde. Ao realizar a consulta, seu médico questionará como são seus hábitos noturnos (em específico, sua rotina pouco antes de deitar-se), além de quantas horas você costuma dormir por noite, se você tem o hábito de despertar durante a madrugada, se você costuma cochilar à tarde etc. É bem provável que seu médico também queira saber se você está consumindo algum medicamento, pois isto aumenta a probabilidade de ter um sono interrompido.

Além das perguntas acima, seu médico também solicitará certos exames. São eles:

  • diário de sono: seu médico registrará o tempo de sono e vigília durante o dia, definindo o padrão de sono.
  • escala de sonolência de Epworth: qualifica-se a sonolência e, consequentemente, determina a gravidade da doença.
  • teste de latências múltiplas do sono: o teste é feito a partir de um cochilo monitorado durante o dia. O exame mede os níveis do sono.
  • polissonografia: esta máquina controla a atividade cerebral, o movimento dos olhos, a frequência cardíaca, os níveis de oxigênio e a função respiratória. Para isto, o paciente passa a noite em um centro de pesquisas.

Além das formas de diagnóstico mencionadas acima, seu médico poderá solicitar outros exames, como tomografia computadorizada e exame de sangue. Em determinados casos, exige-se a realização de um eletroencefalograma adicional, a fim de registrar a atividade elétrica do cérebro.

7 - Formas de tratamento

Se você for diagnosticado com hipersonia, saiba que há diversas formas de tratamento, como antidepressivos, estimulantes e medicamentos recentes no mercado.

Levando em conta outras hipóteses, como diagnosticar a apneia obstrutiva do sono, seu médico poderá receitar um tratamento chamado CPAP (Continous Positive Airway Pressure). Nosso site disponibiliza um artigo completo sobre este aparelho.

Se você faz uso de algum medicamento, que esteja causando sonolência, consulte seu médico. Talvez ele indique um medicamento semelhante, mas que cause menos indisposição e, é claro, vontade de dormir. Também aconselhamos diminuir o consumo de álcool e cafeína.

Medicamentos usados para tratar a narcolepsia são úteis a fim combater a hipersonia, incluindo anfetamina, metilfenidato e modafinil. São medicamentos que funcionam tais quais estimulantes.

Mudanças no estilo de vida é algo considerável no que tange ao tratamento. Seu médico pode recomendar a você um horário regular para dormir e evitar certos hábitos após deitar-se (utilizar o telefone celular na cama seria um dele).

Para eliminar a hipersonia, médicos também recomendarão uma dieta de alta nutrição, pois assim os níveis de energia serão restaurados e mantidos com naturalidade.

8 - Como prevenir a hipersonia?

Mudar pequenos hábitos causará um impacto positivo no estilo de vida. Os medicamentos apresentados no tópico anterior ajudarão você a se manter desperto. Contudo, algumas pessoas nunca conseguirão se livrar da hipersonia por completo. Embora isto não represente um risco de morte, poderá atrapalhar suas vidas.

Em todo caso, priorize suas noites de sono, busque transformar seu quarto em um ambiente agradável, reduza o consumo de álcool, evite trabalhar até tarde, busque dormir e acordar sempre no mesmo horário. É importante evitar os remédios que dão sono, a não ser que tomá- lo seja de grande urgência. Se dormir não é uma tarefa fácil, busque a ajuda de utensílios (protetores auriculares, travesseiros sofisticados, suplementos que estimulam o sono...). Nossa loja virtual está de portas abertas!

Referência bibliográfica:
[1] https://www.webmd.com/sleep-disorders/guide/hypersomnia
[2] https://www.healthline.com/health/hypersomnia

Comentários

Leia também...

Por que bocejamos?

Parece ser um movimento involuntário: os olhos se fecham prestes a lacrimejar, o semblante se contrai e a boca, realizando uma abertura expressiva, tenta abafar a sonolência e expulsar o desânimo. Bocejar é uma reação tida como natural. Mas talvez isto, manifestado em meio aos assentos de uma plateia, desencoraje rapidamente o artista que busca entretê... Leia o artigo »

05/10/2018

Overdose de melatonina, é possível?

Todo consumo feito em excesso pode colocar a saúde em risco. Cá entre nós: não se trata de uma grande novidade, porém (a fim de esclarecer dúvidas e orientar nossos leitores) hoje nosso artigo parte da seguinte questão: overdose de melatonina, é possível? Se você está curioso para saber, explore os próximos paragr&a... Leia o artigo »

23/01/2019

Pesadelos - O que são e por que temos?

Fora do universo cinematográfico e das obras kafkianas, nem sempre ter pesadelos é uma experiência interessante. Eles são imprevisíveis, obscuros e desagradáveis. Pior que isso: são capazes de nos despertar com a força do espanto, elevando a frequência cardíaca e causando suor noturno, à proporção que ali... Leia o artigo »

20/07/2018