'A melhor ponte entre desespero e esperança é uma boa noite de sono.' Joseph Cossman

Apple aposta na monitorização do sono

Capa post - Apple aposta na monitorização do sono

Texto: Postado em Notícias por Marcelo Morais no dia 12 de Maio de 2017 e última atualização dia 19 de Julho de 2018 .

A gigante da tecnologia com sede em Cupertino, Califórnia, adquiriu a Beddit, fabricante de hardware e software de monitoramento do sono, segundo uma mensagem postada no site da empresa de capital fechado com sede na Finlândia. Não foi revelado o preço de compra e uma porta-voz da Apple preferiu não comentar.

A Beddit vende uma tira com sensor a US$ 150 que pode ser colocada sob os lençóis e assim transferir informações relacionadas ao sono para um iPhone, iPad ou Apple Watch para análise. O app Beddit que a acompanha é capaz de dizer aos usuários quanto tempo eles dormiram e divide a noite em categorias como "sono agitado", "ronco" e "acordado". Assim como o Apple Watch, o dispositivo também envia dados de frequência cardíaca para um iPhone.

Com o acordo, a Apple mergulha ainda mais fundo no negócio de monitoramento das condições de saúde. A empresa vem trabalhando na funcionalidade de monitoramento do sono para o Apple Watch há vários anos, segundo a Bloomberg News. A tecnologia da Beddit poderia ajudar com isso. A empresa Fitbit, uma concorrente da Apple no espaço de dispositivos fitness, lançou recentemente mais recursos de monitoramento do sono para sua linha de aparelhos de vestir.

Ainda mais atividades de monitoramento podem estar vindo da Apple, que tem a ambição maior de transformar seu software HealthKit em uma ferramenta de diagnóstico. A Apple está testando o rastreamento de atividades de esqui e snowboard, segundo um documento publicado pelo site Gizmodo.

Os clientes da Beddit podem usar o HealthKit para conectar seu aplicativo ao aplicativo Health da Apple, segundo o website da Beddit. O botão de compra no site da empresa finlandesa agora envia os compradores à loja on-line da Apple e o dispositivo não está mais listado na Amazon.com. A Beddit estava trabalhando em um aplicativo para Android, mas esse detalhe já não consta em seu site. O acordo com a Beddit foi publicado anteriormente pelo 9to5Mac.

Fonte: UOL Economia (link)

Comentários

Leia também...

Fabricantes de dilatadores nasais de olho na terapia complementar

Nas recentes feiras de medicina do sono, dilatadores e tiras nasais de venda livre (que não precisam de receita médica) tem chamado a atenção dos profissionais, desde médicos especialistas na ciência do sono até dentistas. Os dilatadores nasais não têm aprovação para tratar diretamente a apneia obstrutiva do sono, mas em co... Leia o artigo »

15/11/2017

Apple aposta na monitorização do sono

A gigante da tecnologia com sede em Cupertino, Califórnia, adquiriu a Beddit, fabricante de hardware e software de monitoramento do sono, segundo uma mensagem postada no site da empresa de capital fechado com sede na Finlândia. Não foi revelado o preço de compra e uma porta-voz da Apple preferiu não comentar. A Beddit vende uma tira com sensor a US$ 150 que pode s... Leia o artigo »

12/05/2017

Protetores auriculares podem impedir a perda auditiva

Determinado estudo [1], publicado pela JAMA Otolaryngology-Head & Neck Surgery, analisou a efetividade dos protetores auriculares em situações de perda auditiva temporária logo após o contato com música alta. É um fenômeno prejudicial que vem crescendo a cada ano. Pesquisas realizadas nos Estados Unidos evidenciaram o aumento de 31% na taxa ... Leia o artigo »

15/05/2019

Segundo pesquisa, 80% dos paulistanos têm dificuldade para dormir

Saiu na Veja SP (por Ana Carolina Soares): 80% dos paulistanos têm dificuldade para dormir. A tecnologia contribui para o aumento no índice, já que luz emitida por tablets e smartphones inibem a produção de hormônios que induzem ao sono. O epíteto de “cidade que não dorme” nunca foi tão adequado para São Paulo. H&... Leia o artigo »

20/08/2016

Pouco sono é prejudicial a longo prazo

Descuidos no sono durante a meia-idade aumentam o estresse e a tensão, além de ser prejudicial à saúde depois na velhice, segundo Kathryn Doyle. De acordo com um estudo realizado na Finlândia, trabalhar longas horas e também reduzir as horas de sono podem provocar uma saúde mais debilitada a longo prazo. Durante 26 anos, diversos empresários f... Leia o artigo »

22/11/2016